Search
sexta-feira 23 junho 2017
  • :
  • :

Veja As 10 Motos Que Foram Destaque No Salão De Milão 2016

O Salão de Milão (EICMA) 2016 teve como principal destaque a aposta das montadoras no segmento das “pequenas aventureiras”. Este segmento, que já é muito forte no Brasil com  modelos como XRE 300 e XTZ 250 Ténéré, agora aparece com novidades como BMW G 310 GS, Suzuki V-Strom 250 e Versys-X 300.

 + DE AUTOESPORTESiga o programa nas redes sociais

No entanto, estes modelos devem se posicionar em um patamar superior ao de XRE 300 e Ténéré 250.

A primeira a ser confirmada para o Brasil foi a G 310 GS.

Em todos os casos, as marcas usaram a mesma receita: nome de sucesso na alta cilindrada e a base de modelos já existentes (veja os detalhes na reportagem).

Mas também teve espaço para esportivas, como a inusitada BMW HP4 Race, aventureiras de alta cilindrada, no caso da Multistrada 950, e até conceitos, como a Yamaha T7. A Honda também renovou a CB 650F, modelo que interessa bastante ao Brasil.

VEJA OS DESTAQUES DO SALÃO DE MILÃO 2016:

BMW G 310 GS

Um dos lançamentos mais aguardados do ano, a G 310 GS marca expansão da linha de baixa cilindrada da BMW e interessa diretamente ao Brasil. Assim como a naked G 310 R, a aventureira “GSinha” vai chegar ao país no próximo ano. (LEIA MAIS)

Kawasaki Versys-X 300

Kawasaki Versys-X 300 (Foto: Divulgação)

Outra marca a apostar nas “pequenas aventureiras” foi a Kawasaki, com a Versys-X 300. Como base foi utilizado o já conhecido motor de 2 cilindros da esportiva Ninja 300. (LEIA MAIS)

Suzuki V-Strom 250

Suzuki V-Strom 250 (Foto: Divulgação)

Completando o trio das aventureiras de baixa cilindrada, com G 310 GS e Versys-X, foi apresentada a Suzuki V-Strom 250. Seu motor é o mesmo 2 cilindros da Inazuma 250, mas o visual e estilo inspirado nas V-Strom 650 e 1000. (LEIA MAIS)

Honda CB 650F

Honda CB 650F (Foto: Divulgação)

Apesar de manter a mesma base, a CB 650F passou por pequenas mudanças, mas importantes. O visual ficou mais agressivo e o motor ganhou 4 cavalos de potência. (LEIA MAIS)Ducati Multistrada 950

Ducati Multistrada 950 (Foto: Divulgação)

 

A marca italiana resolveu expandir a linha Multistrada, criando uma versão mais acessível: a Multistrada 950. Apesar da inspiração vir da Multistrada 1200, a motor foi herdado da Hyperstrada. Este propulsor bicilíndrico rende 113 cavalos de potência a 9.000 rpm e 9,8 kgfm de torque. O modelo tem 4 modos de pilotagem, ABS e controle de tração.

Yamaha T7

Yamaha T7 (Foto: Divulgação)

Apesar da cara de “moto de rali”, por baixo do visual está o futuro da linha Ténére. Este será o modelo que dará a próxima geração da moto. Mesmo que a marca ainda não fale abertamente, o motor deve ser o mesmo bicilíndrico da MT-07. (LEIA MAIS)

BMW HP4 Race

BMW HP4 Race (Foto: Divulgação)

A BMW anunciou a HP4 Race como a “mais exclusiva moto de todos os tempos”. Utilizando como base a já radical HP4, a empresa criou uma moto para as pistas com chassi de fibra de carbono. O modelo terá unidades limitadas e mais detalhes somente próximo ao lançamento, em 2017. 

KTM 1290 Super Duke R

KTM 1290 Super Duke R (Foto: Divulgação)

A supernaked da marca austríaca ficou ainda mais potente, chegando agora a 177 cavalos de potência com seu motor V2 de 1.301 cc.

Triumph Street Scrambler

Triumph Street Scrambler (Foto: Divulgação)

A Triumph segue expandindo a sua linha Street, que é baseda no motor de 900 cc. Além da Boneville T100, Street Twin e Streer CUp, a mais novata é a agora a Street Scrambler. Como o próprio nome diz, a empresa tornou a moto mais off-road, com direito até ao escape alto passando rente ao assento.

Honda X-ADV

Honda X-ADV (Foto: Divulgação)

Ninguém havia levado muito a sério quando a Honda mostrou seu conceito de scooter aventureiro no Salão de Milão 2015, mas, um ano depois, a versão de produção foi realmente lançada. O X-ADV utiliza como base o motor de 2 cilindros e 745 cc da marca, o mesmo da NC 750X. No caso do scooter, somente há a opção com câmbio de dupla embreagem automático e pode levar o modelo a fazer média de 27,9 km/l. Suspensões mais longas que as de um scooter convencional, conjunto mais “parrudo” e até protetores de mão originários da Africa Twin tornam este um scooter realmente capaz de rodar na terra.