Search
domingo 23 julho 2017
  • :
  • :

Salão Tem Público Menor, Mas Aprovação Recorde, Diz Organização

Salão do Automóvel de São Paulo 2016 (Foto: André Paixão/G1)

O Salão do Automóvel de São Paulo recebeu 715.477 visitantes em 11 dias de funcionamento neste ano. O público é menor do que os 756.114 da última edição do evento, em 2014, que teve a mesma duração. A organização havia declarado, antes da abertura, que não esperava superar aquele número porque “é o que o evento comporta” em 11 dias.

 Salão de SP 2016Feira vai de 10 a 20 de novembro

O público também foi inferior ao de 2010 (750.283) e 2012 (748.733).

Porém, a edição teve, segundo a Reed Exibitions, o maior índice de aprovação desde 2008, quando a empresa começou a fazer pesquisas com os visitantes.

A nova “casa” do salão, que trocou o Anhembi pelo São Paulo Expo, permitiu que o evento fosse completamente repensado.

“Queríamos fazer algo diferente, o salão tem um histórico muito grande, de 58 anos, a gente precisa fazer com que não fique parado no tempo”, afirmou Paulo Octavio Pereira de Almeida, vice-presidente da Reed Exhibitions Alcantara Machado.

Mais test drivesSegundo o executivo, os cerca de 1.500 visitantes entrevistados pela organização destacaram “o contato com as novidades, o número de carros expostos e as possibilidades de interação” do evento. A edição 2016 também teve menos marcas do que a anterior, com ausências de Volvo, Jac Motors e Geely, mas o acréscimo da Maserati.

O número de test drives, por exemplo, quase dobrou, disse Almeida, com cerca de 40 mil participantes. “Isso ocorreu porque tínhamos 20 metros de área externa (no Expo). Ao todo, conseguimos realizar mais de 100 eventos paralelos (à exibição), porque também havia 22 salas para reuniões”, destacou.

Um dos objetivos para o próximo salão é, novamente, dobrar o número de participantes de test drives e a quantidade de marcas envolvidas.

Elogios e críticasO G1 também ouviu visitantes para saber o que acharam da nova sede, que também receberá o salão em 2018 –a Reed não diz por quanto tempo assinou contrato com a GL Events, que administra o SP Expo.

Entre elogios à estrutura e à climatização –a falta de ar-condicionado era a principal reclamação de quem ia ao Anhembi– foram ouvidas algumas reclamações. O trânsito nos acessos foi a mais repetida.

Almeida disse que foram feitos ajustes durante o evento. “Tanto a CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) quanto a GL tiveram um aprendizado sobre o momento de as alças estarem abertas (para entrada) ou fechadas”, afirmou.

“Outra coisa que aprendemos em melhoria é que, quando acaba (o horário de visitação), o fluxo de saída dentro do estacionamento é muito grande e foi preciso fazer mais sinalizações de saída”, disse o executivo.

Também durante o salão houve ajustes para a temperatura no ambiente, pois a parte que fazia parte do antigo Centro de Exposições Imigrantes –no final do corredor– estava mais quente que o restante dos pavilhões. O Salão foi o maior teste para o Expo, reinaugurado em abril passado. “Foi o primeiro evento que ocupou todos os 8 pavilhões”, ressaltou Almeida.

 + DE AUTOESPORTESiga o programa nas redes sociais

Os vipsA organização também pretende fazer melhorias para os ingressos “vips”.

Mais de 3 mil pessoas, segundo a Reed, pagaram R$ 300 – mais de 3 vezes o valor inteiro nos dias mais caros (R$ 95) – para ter valet gratuito, entrada exclusiva no pavilhão, sala com ar-condicionado e wi-fi e circulação irrestrita entre cerca de 10 carros, incluindo Ferrari, Lamborghini e Tesla, que não tinham estandes, no chamado “Espaço dos Sonhos”.

Outras quase 4 mil adquiriram o “kit Fã”, de R$ 100 a R$ 150, com camiseta e catraca exclusiva para entrada. “Só vou querer aumentar, aprimorar isso”, disse o vice-presidente da Reed.

Outra implementação será aumentar o número de carrinhos elétricos para pessoas com mobilidade reduzida. “A demanda foi grande, ficou como aprendizado”, afirmou Almeida.

Duas RodasAntes da próxima edição do Salão do Automóvel, o SP Expo receberá, no ano que vem, o Salão Duas Rodas, o maior para motos na América Latina. Ele será menor que o de carros, ocupando 6 dos 8 pavilhões do centro de exposições. E também vai ser mais curto: acontecerá entre 14 e 19 de novembro.