Search
quarta-feira 24 maio 2017
  • :
  • :

Mercedes-benz Vira Líder ‘premium’ Após Década De Domínio Da Bmw

CEO Dieter Zetsche, da Mercedes-Benz, comemora a virada (Foto: Divulgação)

A Mercedes-Benz superou a BMW em vendas no ano passado e se tornou a marca líder do segmento premium no mundo pela primeira vez desde 2005. A empresa baseada em Stuttgart emplacou um recorde de 2.083.888 unidades, contra o número também recorde de 2.003.359 da rival da Bavaria.

 + DE AUTOESPORTESiga o programa nas redes sociais

Os dados não incluem as marcas que fazem parte do mesmo grupo. Se for levar em consideração todas as marcas “irmãs”, a BMW leva a melhor com a ajuda da Mini, que tem mais que o dobro do volume da Smart, que faz parte da Daimler.

Em 2011, a Mercedes-Benz chegou a perder a segunda posição do segmento para a Audi, que voltou ao terceiro lugar em 2015. No ano passado, a Audi emplacou 1,87 milhão de veículos.

Mesmo com a mudança de posição, todas as 3 marcas alemãs registraram números históricos em 2016. Em comparação com 2015, que era o recorde anterior, a Mercedes-Benz registrou alta de 11,9%, a BMW subiu 5,2% e a Audi avançou 3,8%.

No entanto, o resultado histórico não reflete em nada o desempenho no mercado brasileiro. Depois de sucessivas altas, mesmo com o mercado em crise, as 3 maiores do segmento tiveram vendas menores em 2016 do que no ano anterior.

Tecnologia e designA virada da Mercedes faz parte de um planejamento de longo prazo do CEO Dieter Zetsche, depois que o grupo se desfez da Chrysler em 2007 e enfrentou problemas com investidores e clientes.

Nos últimos anos, a fabricante renovou o desenho dos seus principais modelos, lançou compactos de grande volume e investiu forte em tecnologias autônomas e de segurança, não apenas na mecânica – tradicional ponto forte das marcas alemãs.

Em 2016, os compactos (Classe A, Classe B, CLA e GLA) representaram cerca de 30% do volume total da Mercedes-Benz, mas o modelo mais “popular” ainda é o Classe C.

O recorde também teve ajuda de modelos de luxo da Maybach, que foi ressuscitada em 2015, e dos esportivos da AMG, que atingiram a inédita marca de 99,2 mil unidades – um crescimento de 44% sobre 2015.

BMW apresenta o conceito X2 no Salão do Automóvel de São Paulo 2016 (Foto: Flavio Moraes/G1)

Linha XEmbora tenha sido destronada, a BMW pode comemorar. As vendas recordes em 2016 foram impulsionadas pelos SUVs da linha X, responsável por 1 em cada 3 veículos vendidos da marca no ano passado – uma alta de 22,3% para o segmento ante 2015.

Se levar em consideração as outras marcas do grupo, a BMW pode ainda se gabar de ter o maior volume. A Mini registrou recorde de 360 mil veículos vendidos, e a Rolls-Royce obteve o segundo melhor volume de seus 113 anos, levando a soma total do Grupo BMW para 2.367.603 unidades.

AudiMesmo em terceiro, a Audi também pode festejar. As vendas globais cresceram 3,8%, para 1.871.350 unidades, o que é quase o dobro do verificado em 2009 – ano marcado profundamente pela crise econômica mundial.

“O ano passado provou ser mais desafiador do que a Audi esperava, com turbulências em muitos mercados-chave”, afirmou em nota Dietmar Voggenreiter, membro do conselho para vendas e marketing da Audi.

Audi R8 na versão mais potente V10 Plus (Foto: André Paixão/G1)