Search
quarta-feira 24 maio 2017
  • :
  • :

Latin Ncap Reduz Nota De Nissan March E Versa Após Novos Testes

Dois modelos de carros da Nissan, March e o Versa, tiveram as notas no Latin NCap reduzidas após a entidade comparar resultados de testes de segurança de unidades feitas no México com as fabricadas no Brasil.

A organização já havia realizado testes de colisão com o hatch e o sedã em 2015, usando carros feitos em Rezende (RJ), e eles alcançaram 4 estrelas para a proteção de adultos. O March ainda ficou com 1 estrela para a proteção de crianças e o Versa, com 2.

Na época, a montadora disse que o March e o Versa produzidos no Brasil e no México eram iguais, segundo o Latin NCap. Agora foram testadas unidades fabricadas no México, e o resultado foi pior: “mal alcançaram 3 estrelas (para adultos)”, disse a organização.

Considerando que, em 2015, a Nissan afirmou que os carros do México e do Brasil são os mesmos, é possível entender que os brasileiros também pioraram”Alejandro Furas,secretário-geral do Latin NCap

“Ofereceram menos proteção para adultos do que os feitos no Brasil, testados sobre o mesmo protocolo. Como consequência, as notas dos dois modelos tiveram as notas rebaixadas para 3 estrelas”, anunciou o Latin NCap nesta terça-feira (20).

Segundo a entidade, as maiores disparidades apareceram nos sistemas retenção e a estrutura dos dois veículos foi considerada instável. As dos carros de 2015 foram avaliadas como estáveis.

“Os cintos, em combinação com os airbags, ofereceram menos proteção para o peito do motorista do que em 2015”, disse Alejando Furas, secretário-geral do Latin NCap.

 + DE AUTOESPORTESiga o programa nas redes sociais

A organização diz que a Nissan se comprometeu a estudar e entender as diferenças entre os carros do México e do Brasil, para reconquistar as 4 estrelas.

“O Latin NCAP não tem comprovação de que os carros produzidos no Brasil estejam tão seguros quanto os de 2015. Este caso mostra que o controle de qualidade da Nissan é fraco e que faltou conhecimento para entender e solucionar esses problemas antecipadamente”, criticou a entidade.

“Considerando que, em 2015, a Nissan afirmou que os carros do México e do Brasil são os mesmos, é possível entender que os brasileiros também pioraram.”