Search
quarta-feira 24 maio 2017
  • :
  • :

Indústria Automotiva Alemã Defende Livre Comércio Após Críticas De Trump

Volkswagen apresenta o SUV Atlas, que será produzido nos EUA (Foto: Brendan McDermid/Reuters)

A indústria automotiva alemã defendeu os acordos de livre comércio na América do Norte, assim como entre Estados Unidos e Europa, durante a inauguração do Salão de Detroit, nesta segunda-feira (9).

 SALÃO DE DETROITVeja os destaques de 2017

A declaração vem em um momento de embate do setor com o presidente eleito dos EUA, Donald Trump, o qual ameaçou impor tarifas à importação de automóveis no país, principalmente no caso dos fabricados no México.

Em entrevista coletiva no início da feira, o diretor da federação alemã VDA, Matthias Wissmann, ressaltou que, desde 2009, suas companhias afiliadas quadruplicaram sua produção nos EUA, com 850 mil veículos manufaturados em 2016.

Entre as montadoras afiliadas estão BMW, Volkswagen e Daimler, dona da Mercedes-Benz.

“É um claro compromisso com os Estados Unidos como base industrial”, disse Wissmann, que reiterou a postura favorável da VDA em relação ao livre comércio.

O executivo disse ainda que apenas 41% da produção de automóveis alemães feitos nos EUA fica no país. O restante é exportado.

 + DE AUTOESPORTESiga o programa nas redes sociais

No México, os membros da VDA fabricaram 425.000 unidades em 2016, de acordo com Wissmann.

“Para nós, é particularmente importante (…) o valor que Washington dará à globalização”, acrescentou, referindo-se ao Tratado de Livre-Comércio da América do Norte, que inclui México, Canadá e Estados Unidos.

“Certamente também seria inteligente não questionar a ausência de impostos às importações no Nafta”, afirmou.

Nesta segunda, Trump tuitou agradecendo à Ford e à Fiat Chrysler pelos anúncios de investimentos nos EUA. Na semana passada, a Ford anunciou o cancelamento da construção de uma nova fábrica no México.

Por outro lado, a BMW declarou estar “totalmente comprometida” com a construção de sua fábrica naquela país, fruto de um investimento de US$ 1 bilhão, e que deverá ser concluída em 2019.

A posse de Trump está marcada para o próximo dia 20.