Search
terça-feira 30 maio 2017
  • :
  • :

Fiat Chrysler é Acusada De Emissão Excessiva De Poluentes Nos Eua

Depois da Volkswagen, Fiat Chrysler será acusada de violar as leis ambientais dos EUA por emitir poluentes além do permitido (Foto: AP/Martin Meissner)

A Agência de Proteção Ambiental (EPA, na sigla em inglês) dos Estados Unidos acusou nesta quinta-feira (12) a Fiat Chrysler (FCA) de usar um software que permite emissão excessiva de poluentes em carros com motores a diesel vendidos desde 2014.

 ESCÂNDALO NA VW Volkswagen é acusada de fraudar testes

A entidade acredita que o software auxiliar de controle de emissões da FCA viola as leis ambientais dos EUA.

Cerca de 104 mil picapes Dodge Ram 1500 e Jeep Grand Cherokees, equipados com motor 3.0 a diesel, estariam envolvidos.

De acordo com uma fonte ligada ao assunto, a FCA não concorda com a alegação, informou a Reuters.

Um controle auxiliar de emissões pode ser usado pelas montadoras em circunstâncias específicas para proteger o motor de danos, mas a utilização deve ser informada aos órgãos reguladores, segundo a Reuters.

As ações da FCA listadas na Bolsa de Milão apresentavam queda de 14% na tarde desta quinta-feira (12). O anúncio da EPA está marcado para esta tarde.

Investigações pós-dieselgateÉ a mesma agência que “descobriu” o software da Volkswagen, dando início ao caso conhecido como “dieselgate“, em setembro de 2015. O software da Volkswagen detecta quando o carro está na inspeção e só então passa a fazer o controle dos gases.

saiba mais

Durante a rodagem normal, o controle fica desligado, fazendo com que os carros poluam muito mais do que o permitido.

O dispositivo fraudulento está presente em cerca de 11 milhões de carros de marcas do Grupo Volkswagen. No Brasil, apenas a Amarok foi afetada.

Na últimas terça-feira (10), a Volkswagen concordou em pagar US$ 4,3 bilhões em multas nos EUA, para encerrar os processos sobre o “dieselgate”.

Em outubro passado, o grupo já tinha aceitado um acordo na Justiça americana para pagar US$ 15 bilhões em compensações aos proprietários dos cerca de 600 mil carros vendidos naquele país e envolvidos na fraude.