Search
domingo 23 julho 2017
  • :
  • :

Após Tetraplegia, Homem Dá Lição De Vida Ao Voltar A Andar De Moto

Alexandre Rozendo usa sua motocicleta adaptada para todas as tarefas do dia a dia (Foto: Alexandre Rozendo/ arquivo pessoal)

Depois de ser baleado em um assalto e ficar tetraplégico, Alexandre Rozendo, de 44 anos, experimenta a cada dia novas sensações que lhe deixam mais próximo da liberdade. Após meses de reabilitação, ele conseguiu recuperar os movimentos das mãos e braços. Ele já conseguiu, por exemplo, voltar a pilotar uma moto – sua grande paixão – e disse que até hoje não viveu nenhuma sensação melhor do que essa. O morador de Suzano cuida sozinho da casa e se aventura no aeromodelismo.

Do assalto que lhe retirou os movimentos, Alexandre lembra apenas da data e o local: 8 de agosto de 2011, no município de Pompeia. O restante das informações soube por quem lhe socorreu e pela irmã, que tinha ido visitar no interior de São Paulo. “Eu me lembro de ter acordado com a sensação de areia na boca. Eu estava caído no chão, em um tanque de areia de um parquinho, e o assaltante tinha levado meu relógio. Me contaram que o socorrista chegou sozinho, me pôs na maca e nem tinha colar cervical. De lá eu fui levado para a Santa Casa e depois transferido para o Hospital de Marília.”

Eu não fico em casa deprimido, não. Tem gente em condições melhores do que eu e fica acuado, mas eu não fico não”Alexandre Rozendo

Quando acordou no hospital e soube que “a quinta vértebra estava triturada” e que estava tetraplégico, ele afirma que refletiu e agradeceu por estar vivo. “Eu sentia muita dor, mas não tive ódio. Eu não consigo explicar, mas a sensação é que eu tinha acordado em outro mundo, eu era outra pessoa. Minha família foi para lá porque a notícia dos médicos para eles era de que eu não iria sobreviver. Então, só de estar vivo, já era um espanto.”

Antes de receber a notícia que não poderia mexer nenhum membro do pescoço para baixo, Alexandre trabalhava como segurança e adorava andar de moto. Durante o período de reabilitação ele ainda enfrentou cirurgias para reverter hérnias de disco e problemas de embolia pulmonar. O seu irmão era quem lhe ajudava com tudo: desde cozinhar até arrumar a cama.Em março do ano seguinte, alguns movimentos das mãos e dos braços já estavam restabelecidos. A determinação em poder retomar uma vida normal e amenizar a dependência do próximo foi tanta que, em 2012, ele já montava em sua nova motocicleta.

“Eu comprei uma moto adaptada e automatizada pela internet, só que antes de pilotar, eu precisei de uma autorização do Detran em São Paulo e fiz um teste lá. Foi uma sensação maravilhosa, foi o dia mais feliz da minha vida. O lugar também era lindo, perto de uma represa… Depois disso, levei meu irmão para passear comigo e me empolguei vendo que seria fácil.”

Aeromodelismo é uma das paixões do morador de Suzano (Foto: Alexandre Rozendo/ arquivo pessoal)

De lá pra cá, ele e a moto nunca mais se separaram. Hoje Alexandre também consegue cozinhar e garante que “quem comeu a minha comida gostou” e também dá conta dos afazeres domésticos: “arrumar a cama eu sei, mas só quando eu quero. É capaz de encontrem ela bagunçada”, conta aos risos.

Apesar de ainda depender da cadeira de roda, Ale-xandre recuperou alguns movimentos e já faz algu-mas atividades sozinho (Foto: Alexandre Rozendo/arquivo pessoal)

SonhosApesar de estar aposentado, ele não fica parado. “Participo nos finais de semana de encontros de aeromodelismo e também trabalho com drones. Eu sei montar alguma coisa e a gente vai aprendendo mexendo. Eu também faço a edição dos vídeos”, conta.

Para o futuro Alexandre já possui uma lista de desejos e metas a serem cumpridas.

“Eu já pratiquei atletismo, mas sentia dores. Já fiz tênis também, mas meu sonho é o paradesporto. Eu não fico em casa deprimido não. Tem gente em condições melhores do que eu e fica acuado, mas eu não fico não.”